sábado, 19 de setembro de 2020

MEGAOPERAÇÃO INTERNACIONAL INVESTIGA REDE GLOBO

Rede Globo é investigada em megaoperação internacional 

Uma megainvestigação internacional, realizada em 88 países, deve ser revelada neste domingo (20), US$ 2 trilhões em operações suspeitas. Parte dessas transações envolveu traficantes, terroristas, ditadores e políticos corruptos. A informação foi divulgada pelo site poder 360.

A apuração a partir de documentos vazados do escritório de advocacia e consultoria Mossack Fonseca, do Panamá, descobriu 107 offshores – empresas montadas no exterior – ligadas a empresas e políticos citados na Operação Lava Jato.

A investigação identificou também registros de offshores e trusts relacionados a empresas de comunicação brasileiras. Entre elas, a Editora Abril e o Grupo Globo. 

Uma offshore é uma empresa aberta no exterior para aplicações financeiras e compras de imóveis. Ter uma offshore não é ilegal, desde que a empresa seja declarada à Receita.

Uma offshore nada mais é do que uma companhia instituída fora do país de domicílio dos sócios. Já o trust é um fundo constituído para terceirizar a gestão de ativos (heranças, por exemplo) – no entanto, não há na legislação brasileira instrumento semelhante. O uso de offshores e trustes está comumente ligado aos chamados paraísos fiscais, países com sistemas tributários mais favoráveis ao negócio e regras de transparência mais brandas.

Os documentos revelaram uma rede de empresas offshore de líderes do cenário político mundial. Entre os nomes citados estão:
  • Mauricio Macri – holding da família do atual presidente da Argentina;
  • Neelie Kroes – ex-comissária da União Europeia de 2000 a 2009;
  • Amber Rudd – secretário do interior do Reino Unido;
  • Ian Cameron – pai do ex-primeiro ministro britânico David Cameron;
  • Marco Antonio Pinochet – filho do ex-ditador Augusto Pinochet;
  • Carlos Caballero Argáez – ministro de Minas e Energia da Colômbia de 1999 a 2001;
  • Sani Abacha – filho do presidente da Nigéria;
  • Sheikh Hamad – ex-ministro do Exterior do Qatar.

Gazeta Brasil

Nenhum comentário: