terça-feira, 29 de setembro de 2020

JOSÉ DIRCEU DIZ QUE A ESQUERDA PRECISA FAZER UMA RELEITURA DO BRASIL

 A esquerda precisa fazer uma releitura do Brasil, diz José Dirceu

É preciso ler para além da conjuntura mas, ao mesmo tempo, estar à altura dos novos tempos que não podem ser enfrentados, sem profundas mudanças na esquerda e no PT, seu maior partido. Este também é um fato histórico irrefutável. Se não entendermos que houve uma mudança de período histórico e de ciclo político não estaremos em condições de representar as forças sociais e políticas para superar essa tragédia nacional e social que vivemos.

Um espectro ronda a esquerda. Será que ela perdeu o bonde da história e não sobrevive às profundas mudanças no capitalismo brasileiro, como as produzidas pelo golpe de 1964 e, agora, pelo governo Bolsonaro e uma gestão ultra liberal? Estaria esgotado seu papel já que o país que deu origem ao PT, por exemplo, não existe mais, nem aquela classe operária industrial dos anos 1970, 1980? Sobreviveremos à desindustrialização, precarização da força de trabalho, informalidade, pejotização, reforma trabalhista, terceirização e reforma da previdência, ao fim do imposto sindical? O que será do movimento sindical?

Quem deterá Bolsonaro e sua aliança com os negociantes da fé, os militares, as milícias, o capital financeiro, o agronegócio, o Centrão e sua poderosa coalização nas redes e com as TVs Record, SBT e RedeTV? Como deter o avanço do autoritarismo, obscurantismo e fundamentalismo religioso, o ataque frontal à cultura, à educação, à Amazônia e à ciência?

Serão o PT e a esquerda derrotados nas eleições deste ano sem alianças nas principais cidades?

Sempre me guiei pela máxima de que não podemos atribuir ao adversário as razões de nossa derrota, mas isso não significa não identificar e não responder como chegamos, de novo, a um governo militar de extrema direita e a um presidente como o que temos, que acabou de se revelar por completo nas Nações Unidas. Sem desconhecer os erros que cometemos –e não foram poucos– e nossa ausência pós 2000 nos territórios, nos bairros, no chamado trabalho de base, na vida real e na luta pela sobrevivência nas periferias como prioridade e nosso atraso mortal em entender e dominar a nova forma de comunicação via redes. É preciso sempre recordar que poucos partidos no mundo suportariam à guerra total a que fomos submetidos.

O alvo da artilharia das elites, apoiadas na Justiça militante, foram os petistas e seu eleitorado e base social; uma artilharia cerrada de 2013 a 2018, incluindo o golpe do impeachment e o processo sumário, de exceção, que levou Lula a uma condenação injusta e à sua prisão, quando o mais provável era como candidato vencer no primeiro turno.

A campanha midiática, via Lava Jato, foi devastadora não só para a imagem do PT, mas principalmente para sua capacidade de mobilizar, organizar e lutar. O resultado foi a eleição de um presidente com o qual, agora, parte significativa das forças e do eleitorado que derrubaram o governo Dilma e impediram Lula de ser candidato, não sabe como lidar. Querem fazer oposição e mesmo processá-lo por crime de responsabilidade, mas, temerosos da esquerda, da tutela militar e de perder seus privilégios e a agenda liberal, se iludem que podem controlar a criatura via Congresso Nacional e a Suprema Corte. Em parte, este caminho traz resultados, já que Bolsonaro só não é um ditador pelos limites impostos pelo Parlamento, pelo Judiciário pela esquerda e pela oposição de grande parte da mídia.

Clique no link abaixo para ver toda matéria:


PODER 360

Nenhum comentário: