domingo, 27 de dezembro de 2020

CURIOSIDADES DA ACADEMIA NORTERIOGRANDENSE DE LETRAS - POR RICARDO SOBRAL

ACADEMIA NORTERIOGRANDENSE DE LETRAS


MEMÓRIA ACADÊMICA

CURIOSIDADES QUE ANOTEI

* Por Ricardo de Moura Sobral, advogado, membro do IHGRN e da ACLA-PSN.


A acadêmica e pesquisadora Leide Câmara publicou um livro que faz jus ao título: Memória Acadêmica.

Ao longo de suas 690 páginas o leitor encontra tudo sobre a ANL, seus patronos, acadêmicos e suas respectivas obras.

Ali o leitor encontra a base histórica da intelectualidade da terra de Poty.

É um livro destinado à mesa de cabeceira de quem se interessa por cultura.

A ANL, fundada em 1936 pelo genial Câmara Cascudo, moldada na Academia Brasileira de Letras, fundada por Machado de Assis (1896/7), inspirada na Academia Francesa, criação do Cardeal Richelier (1635), tem como lema Ad Lucem Versus (Padre Luiz Gonzaga).

Anotei algumas curiosidades.

Em seus 84 anos de existência teve 11 Presidentes. O mais longevo no cargo é o atual, Diógenes da Cunha Lima, que tomou posse há 36 anos. Antes dele, Manoel Rodrigues de Melo, passou 21 anos. Todos os outros tiveram mandatos curtos de poucos anos. Dom Nivaldo Monte foi quem teve o mandato mais curto: apenas 04 meses.

O acadêmico que mais tempo passou na instituição foi Otho Guerra: 60 anos. O segundo foi Raimundo Nonato Fernandes: 55. Empatados em terceiro lugar, com 53, estão Américo de Oliveira Costa e Manoel Rodrigues.

O de menor tempo acadêmico foi Humberto Bezerra Dantas: 02 meses.

O acadêmico que mais tempo levou para tomar posse foi Sanderson Negreiros: 10 anos.

Apenas um acadêmico renunciou (resignou-se) à imortabilidade: Antônio Pinto de Medeiros.

Que eu me lembre, 04 ex-governadores foram sócios da ANL: Juvenal Lamartine, José Augusto Bezerra de Medeiros, Silvio Pedrosa e Aluízio Alves.

Até hoje, a cadeira 22 - Patrono Cônego Leão Fernandes - só foi ocupada por padres: 03 Cônegos e 01 Bispo.

Na fundação foram abertas 25 cadeiras, com 03 mulheres no patronato e 02 acadêmicas. Em 1943, mais 05; e em 1957, mais 10, totalizando as 40, nesta data totalmente preenchidas.

O patronato da ANL é formado por 10 juristas, 06 padres, 06 médicos, 06 jornalistas, 04 poetas, 02 educadores, 

01 compositor, 01 historiador, 01 aviador, 01 farmacêutico, 01 músico e 01 militar. 

01 nasceu no século XVIII; 36, nasceram no século XIX e 03 na primeira década do século XX. 

20 faleceram em Natal, 05 no RJ, 02 na França, 02 em Recife, 01 em Salvador, 01 em Caraúbas, 01 em Nísia Floresta, 01 em Fortaleza, 01 Porto Alegre, 01 em Santo Antônio do Salto da Onça, 01 em Miguel Calmon (CE), 02 em Angicos, 01 em Manaus e um em Mossoró. 

Quanto aos acadêmicos, ingressaram 143 no total, Incluindo os recém eleitos e ainda não empossados.

São 62 juristas (43%), 16 médicos, 16 jornalistas, 14 educadores, 06 padres, e o restante tem profissões variadas.

As cadeiras 01 e 39 até hoje só foram ocupadas por juristas. A cadeira 06, só educadores. A 22, só por padres.

Com exceção das cadeiras 06, 14, 18, 22, 29 e 38, todas as outras - 34 - em algum momento foram ocupadas por juristas.

O livro reúne todo o acervo histórico da ANL, chegando a relacionar até os vultos norteriograndenses que não ingressaram; os sócios honorários, de honra, beneméritos e correspondentes; e fala da sua biblioteca, publicações, revistas, tudo ilustrado com boas fotografias.

É a obra de referência, base para quem pretenda escrever sobre nossa imortabilidade acadêmica.

Estou escrevendo um ensaio sobre nossa formação bacharelesca e o livro de Leide tem ajudado muito na obtenção de dados e informações. 

Leide fez um belo e exaustivo trabalho.

Nossas congratulações acadêmicas.

Nenhum comentário: