quinta-feira, 9 de janeiro de 2020

REPRESÁLIA DO IRÃ FOI A MORTE DE 56 IRANIANOS - POR J. R. GUZZO

Represália por parte do Irã até agora foi a morte de 56 iranianos

EBRAHIM NOROOZI/ASSOCIATED PRESS/ESTADÃO CONTEÚDOO funeral do terrorista-chefe da ditadura que governa o Irã, morto outro dia num ataque das Forças Armadas dos Estados Unidos, mostrou, mais uma vez, a vida como ela é nesse canto especialmente infeliz do mundo.

Houve, como de hábito, gente demais na rua, atos de histeria sem controle no meio do povo e discursos de ódio e vingança no palanque das autoridades. Houve, também, desordem na multidão — e o resultado é que 56 pessoas morreram pisoteadas no tumulto, enquanto os chefões, naturalmente, escapavam sem um arranhão, cercados por seus seguranças, carros blindados e o resto do seu aparato. E o povão? O povão que vá para o diabo que o carregue.

Esse massacre, obviamente, foi recebido sem o mais remoto sinal de espanto, ou de simples compaixão, pelo noticiário mundial. Pobre iraniano, afinal, é isso mesmo — não existe, simplesmente, como ser humano, na cabeça dos observadores das altas questões de geopolítica da região.

Na favela de Paraisópolis, recentemente, nove pessoas morreram pisoteadas num tumulto após a intervenção da polícia em torno de um baile funk. Escândalo nacional durante 15 dias, com direito a lágrimas do governador do Estado de São Paulo, João Doria, e à indignação da militância dos direitos humanos.

Mas o Irã é o Irã. É um país do “campo anti-imperialista” — e, como tal, pequenas bobagens como a morte de 56 infelizes não podem ser comentadas de nenhuma maneira negativa. “Pode ajudar o Trump”, não é mesmo?

O fato é o seguinte: como sempre acontece nas tiranias muçulmanas, e de outras ordens, as vinganças dos tiranos matam, em primeiro lugar, os cidadãos dos seus próprios países. A mídia anuncia horríveis represálias por parte do Irã. De concreto, até agora, só houve a morte de 56 iranianos.

Nenhum comentário: