domingo, 8 de abril de 2018

PROCURADORA DODGE DETONA A JUSTIÇA

Decisões da Justiça não têm feito 'a lei valer para todos', diz Dodge
 
Raquel Dodge afirma que Justiça brasileira "não é para todos". (Foto: Eraldo Peres/AP)Para a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, a Justiça brasileira "não é para todos".
"Ela costuma atingir muito rapidamente para os que não podem pagar por advogados, em geral pessoas pobres, presas em flagrante e que ficam encarceradas por longos anos. Todavia, a Justiça atinge, quando atinge, muito lentamente os que têm recursos financeiros para manter um processo aberto e interpor sucessivos recursos, que impedem uma condenação definitiva, ou (impedem) a pena de ser cumprida", avaliou.
Em palestra para alunos das universidades de Harvard e MIT, nos Estados Unidos, no sábado, Dodge não fez qualquer menção ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que simultaneamente discursava para apoiadores em São Bernardo do Campo, pouco antes de se apresentar à Polícia Federal.
Mas a procuradora-geral falou muito sobre a criminalidade entre políticos. "Os mais ricos não têm sido responsabilizados criminalmente pelos crimes de corrupção, e os mais pobres continuam à margem da proteção da lei quando se trata de direitos fundamentais".
A conclusão, segundo Dodge, é "que prendemos muito, mas prendemos mal".
"A maioria são jovens presos por furtos, por tráfico de pequenas quantidades de droga. No entanto, autores de crimes de colarinho branco, os que furtam elevada quantidade de recursos públicos, ou estão soltos, muitos sequer foram investigados e punidos."
"Os donos dos negócios de tráfico de armas, drogas e munição também não estão presos", prosseguiu.

Nenhum comentário: