quinta-feira, 8 de junho de 2017

FALTA DE RESPEITO COM O REI

Família de Gonzagão vai processar funkeiro por versão pornô de Asa Branca

A família de Luiz Gonzaga se prepara para acionar a Justiça contra MC Yuri por conta da música Festa junina da putaria, uma versão sexualizada do clássico Asa branca. Na faixa, o funkeiro utiliza a melodia da canção de Gonzaga em um remix com elementos do funk. “Tu vai sentar, tu vai quicar por cima do meu piru / MC Yuri, manda pra tu / Vem novinha, senta, quica, trava, arrasta com a x**** no meu piru”, diz a letra da música em trecho. Após a repercussão negativa, o lyric video foi retirado do canal Detona Funk no YouTube, mas permanece disponível em outras contas.
“Deve haver respeito com a obra de Asa branca, afinal, é um hino nacional”, acredita Rosinha Gonzaga, filha de Luiz. A Editora Moleque, responsável por administrar os direitos autorais e uso de imagem do músico pernambucano, está estudando junto a advogados a maneira como pretende mover a justiça para punir o funkeiro. “Isso é um absurdo com uma música tão respeitável, a própria Daniela Mercury já decretou que era o segundo hino nacional. Não sei se ele é jovem ou adulto, a questão é que isso foi uma falta de respeito com a família e com Gonzaga”, concorda Rosa Miranda, gerente da empresa.
MC Yuri é natural de São José do Rio Preto, no interior de São Paulo, e tem 19 anos. De acordo com seu empresário, que não quis ter o nome divulgado, a intenção de Festa junina da putaria nunca foi ofender o público pernambucano. “A música não foi feita com o intuito de ofender o estado de Pernambuco, foi criada para ser uma forma irreverente de fazer uma música e a liberdade de expressão está aí. A gente não achava que ia dar esse problema, tanto que as únicas críticas vieram dos pernambucanos, porque o resto do público do MC Yuri gostou”, defendeu o empresário.
O representante do artista revela que um advogado está de prontidão para cuidar do caso e justifica o uso de palavrões na música: “Ele é um cantor de funk, é o gênero dele. O funkeiro não vai fazer uma música gospel, o funk tem essas sensualidades mesmo”. Pouco menos de 24h depois de ter sido disponibilizado no canal Detona Funk, no YouTube, o lyric video contava com mais de 30 mil visualizações. Após ter sido retirado do ar, foi lançado em outros canais e voltou a receber críticas: “Como um estrupício desse destrói, de uma maneira depravada, um clássico da música Brasileira que retrata o sofrimento do povo nordestino? ESTOU DE LUTO SÓ DE OUVIR!”, escreveu uma internauta.

Fonte: Diário de Pernambuco

Um comentário:

Anônimo disse...

Infelizmente, no Brasil, conseguiram transformar os bons valores em refugo. Anos e anos de doutrinação marxista nas escolas, universidades, meios artísticos, culturais e na grande mídia fizeram com que a nossa cultura se resumisse à peça teatral "macaquinhos", onde seus atores exploram os ânus uns dos outros. Na nossa educação as prioridades são: liberação da venda e consumo de drogas, igualdade de gênero (onde mulher pode ser homem e homem mulher, de acordo com a conveniência), homens vestirem roupas de mulher e mulheres de homem. Na segurança, só quem tem direitos é o bandido, ele é intocável; pode andar armado, assaltar, matar e, se for preso, tem uma infinidade de órgãos de direitos humanos que lhe darão apoio, enquanto o cidadão que é vítima tem que se conformar com o fato de que o bandido é só uma vítima da sociedade malvada. Sem falar no espetáculo vergonhoso protagonizado pelo TSE onde absolvirão a chapa vencedora para a presidência, em 2014, mesmo havendo inúmeras provas de crime. Enquanto isso não mudar radicalmente, não há qualquer perspectiva de melhora para o Brasil.