sábado, 12 de dezembro de 2020

DOAÇÕES DE FIÉIS FORAM DESVIADAS PARA COMPRA DE CASAS PARA PARENTES DE PADRE CELEBRIDADE, DIZ MP

Padre Robson comprou casa para familiares com dinheiro desviado

Dinheiro doado por fiéis católicos para a construção da nova Basílica do Divino Pai Eterno, no município de Trindade, em Goiás, foi utilizado na compra de três casas onde moraram os pais e os irmãos do padre Robson de Oliveira Pereira, de 46 anos. A acusação consta na denúncia feita pelo Ministério Público do Estado de Goiás (MP) e recebida pela Justiça goiana na última quinta-feira (10).

O pároco é acusado de desviar e utilizar para fins pessoais parte dos donativos destinados à Associação Filhos do Pai Eterno (Afipe), entidade criada para atividades de evangelização, sobretudo a construção de uma nova basílica. Ele e seus familiares tornaram-se réus mas negam as acusações.

Os imóveis custaram, ao todo, R$ 4,08 milhões, de acordo com o MP. As casas ficam no Condomínio do Lago, um empreendimento de alto padrão que possui três lagos com pista de caminhada, cinco playgrounds, salões de festa e de jogos, quatro campos de futebol society, academia, além de quadras poliesportiva, de tênis, de squash e de peteca.

O condomínio fica entre Goiânia e Trindade, nas margens da Rodovia dos Romeiros, uma autoestrada de 17 km que possui 14 painéis representando a Via Sacra. A entrada principal fica em frente ao primeiro desses painéis, visitados por cerca de 3 milhões de católicos que participam da procissão do Divino Pai Eterno, realizada nos meses de junho. A festa religiosa é o principal evento organizado pela Afipe.

Os promotores sustentam que as casas foram adquiridas com dinheiro desviado das doações feitas por católicos para a Afipe. Segundo a denúncia, o desvio ocorreu por meio da GC Construtora e Incorporadora.

Em 23 de outubro de 2015, a empresa que pertence aos irmãos Onivaldo, Bráulio e Gleysson Cabriny recebeu R$ 7,5 milhões da Afipe. A transferência seria para a compra de duas fazendas em nome da GC localizadas no Tocantins. Mas os promotores observaram que o negócio relativo às propriedades rurais nunca foi efetivado formalmente.

Quatro dias após receber o valor milionário, a GC Construtora transferiu R$ 1,13 milhão para uma “laranja” no esquema. Os três irmãos Cabriny também foram denunciados pelo MP. Gleysson é vice-prefeito de Trindade.

De acordo com os promotores, a laranja era Ana Verônica Mendoza Martins. Ela teria utilizado o dinheiro para comprar uma casa no Condomínio do Lago que custou o mesmo valor que recebeu em sua conta. De acordo com o MP, essa residência foi utilizada por José Celso Pereira, de 82 anos, e Elice de Oliveira Pereira, de 76, pais do padre Robson.

“A Afipe comprou uma fazenda por mais de R$ 7 milhões, mas ela tinha sido adquirida anteriormente por R$ 3 milhões, que era o valor real dela. Com essa diferença, eles transferiram o dinheiro para os laranjas comprarem as casas onde os parentes do padre moraram”, afirmou o promotor Sandro Halfeld, do MP de Goiás.

Clique no link abaixo e veja a matéria completa:

Nenhum comentário: