quinta-feira, 10 de dezembro de 2020

DEPUTADA COMUNISTA IRÁ FISCALIZAR O GOVERNO SOBRE 5G

Maia indica deputada comunista para ‘fiscalizar’ governo sobre 5G

A Câmara dos Deputados vai passar a acompanhar de perto os desdobramentos das escolhas do governo no 5G. O presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), criou um grupo de trabalho para acompanhar o assunto, que será coordenado pela líder do PCdoB na Casa, Perpétua Almeida (AC).

O grupo terá a participação dos deputados Luisa Canziani (PTB-PR), Vitor Lippi (PSDB-SP), Helder Salomão (PT-ES), Fausto Pinato (PP-SP), Marcos Aurélio Sampaio (MDB-PI), Arnaldo Jardim (Cidadania-SP), Dagoberto Nogueira (PDT-MS), Fernando Coelho Filho (DEM-PE) e Zé Vítor (PL-MG).

Um dos deputados que mais trabalhou pela criação do grupo foi Pinato – ele criticou abertamente o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) pelas provocações que faz à China, um dos maiores parceiros comerciais do país. Ao Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, o deputado disse que o colegiado ouvirá todas as empresas para que possa ser possível discutir o assunto de forma técnica.

– Esperamos fiscalizar as atitudes eventualmente arbitrárias por parte do governo – afirmou.

O deputado federal Marco Feliciano criticou a escolha de Maia, colocando em dúvida qual seria sua intenção ao nomear uma parlamentar do PCdoB como líder do grupo de trabalho.

– Se para ganhar a eleição na Câmara tiver que entregar nossas telecomunicações para a ditadura comunista chinesa, ele faz sem titubear! – disparou.


A @CNNBrasil noticia q @RodrigoMaia criou grupo de trabalho p/ acompanhar o leilão do 5G e indicou uma deputada comunista p/ coordenar o GT. Se p/ ganhar a eleição na Câmara tiver q entregar nossas telecomunicações p/ a ditadura comunista chinesa, ele faz sem titubear!
Imagem


No ato de criação do grupo, Maia argumenta que a definição dos termos e especificações da tecnologia 5G e dos equipamentos que serão usados na infraestrutura das redes brasileiras “têm impacto direto nos custos das empresas operadoras e que tais definições podem ainda interferir na concorrência, nos preços finais aos consumidores e até no processo de inclusão digital dos mais vulneráveis”.

Maia diz ainda que considera ser “legítima” a preocupação com a segurança cibernética e do Estado em assegurar a privacidade dos cidadãos brasileiros.

– [Caberá ao grupo] avaliar e acompanhar os impactos da implantação da tecnologia 5G no Brasil e propor medidas para o aperfeiçoamento da legislação relacionada aos serviços de telecomunicações – defendeu.

O leilão das frequências que serão utilizadas para o 5G será realizado no fim do primeiro semestre de 2020. Uma das principais controvérsias diz respeito às discussões sobre eventual banimento à chinesa Huawei, fornecedora que é líder mundial na tecnologia.

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) não tem poder para vetar a participação de nenhuma companhia. A licitação será apenas para operadoras e são elas que escolhem seus fornecedores O assunto, porém, pode ser alvo de decreto presidencial.

A Anatel afirma que a infraestrutura da Huawei corresponde a algo entre 35% a 40% das redes brasileiras de 3G e 4G, mas as empresas dizem que ela é superior, de 45% a 65% entre as maiores e de até 100% dependendo da região. A Huawei está há 22 anos no Brasil e tem sido alvo da diplomacia norte-americana, que pressiona países em todo o mundo para banir a companhia do 5G.

Estadão

Nenhum comentário: