sexta-feira, 13 de novembro de 2020

DEPUTADOS QUEREM IMPEACHMENT DE DORIA POR 'CHEQUE EM BRANCO' À CHINA

Doria pode sofrer impeachment por ‘cheque em branco’ à China

Um grupo de deputados estaduais de São Paulo irá protocolar um novo pedido de impeachment na Assembleia Legislativa (Alesp) contra o governador João Doria por um contrato assinado entre o governo do estado e a empresa chinesa Sinovac. O documento trata de questões da vacina da Covid-19 e, de acordo com informações da CNN Brasil, não estipula um valor para a aquisição de doses da CoronaVac.

Segundo o veículo, o documento apenas menciona um possível preço a ser pago pela imunização. O trecho do contrato aponta que “ambas as partes têm o objetivo de discutir e definir um preço de mercado razoável para o fornecimento da vacina importada assim que possível e celebrar um acordo para o registro do produto, uso de emergência e fornecimento da vacina importada no Brasil (“Acordo de Registro e Comercialização do Produto”)”.

Além disso, continuou a CNN, o contrato também estipulo que o Instituto Butatan é o responsável por custear a fase 3 de testes da vacina e que a Sinovac irá manter os “direitos de propriedade intelectual” da imunização.

Por causa da revelação, os deputados Valéria Bolsonaro, Gil Diniz, Douglas Garcia, Castelo Branco, Danilo Ballas, Frederico D’Avilla e Major Mecca decidiram entrar com mais um pedido de impeachment contra o governador de São Paulo.

Em vídeo publicado em suas redes sociais, o deputado Major Mecca explicou que a base do impeachment será o “cheque em branco” de Doria aos chineses.

– Um contrato com uma ausência absurda de transparência, onde não se estabelece valores ou quantidade. Não sabemos se daqui a dois ou três meses serão firmados valores absurdos. Ou seja, é um cheque em branco que o João Doria está entregando na mãos dos chineses. Esse contrato dará suporte ao nosso quarto pedido de impeachment – explicou.

Após a divulgação do documento pela CNN, o Instituto Butantan enviou nota à emissora dizendo que o texto é um acordo de intenções e não um contrato.

pleno.news

Nenhum comentário: