terça-feira, 7 de julho de 2020

ONU ARRANJA 'CONFUSÃO' PARA TRUMP E IRÃ

Perita da ONU considera morte de Soleimani um assassinato 'ilegal' 

Para perita da ONU, a morte do general Qassem Soleimani foi ilegalO ataque aos drones dos EUA em janeiro no Iraque, que matou o general iraniano Qassem Soleimani e nove outras pessoas, representou uma violação do direito internacional, disse uma investigador de direitos humanos da ONU, nesta segunda-feira (6).

Os Estados Unidos não forneceram evidências suficientes de um ataque em curso ou iminente contra seus interesses para justificar o ataque ao comboio de Soleimani ao deixar o aeroporto de Bagdá, disse Agnes Callamard, relatora especial da ONU sobre execuções extrajudiciais, sumárias ou arbitrárias.

O ataque violou a Carta da ONU, Callamard escreveu em um relatório exigindo responsabilização por assassinatos direcionados por drones armados e maior regulamentação das armas.

"O mundo está em um momento crítico e com um possível ponto de inflexão quando se trata do uso de drones. O Conselho de Segurança está ausente de ação; a comunidade internacional, voluntariamente ou não, permanece em grande parte silenciosa", disse Callamard à Reuters.

Callamard deve apresentar nesta quinta-feira (9) suas conclusões ao Conselho de Direitos Humanos, dando aos Estados membros a chance de debater quais ações devem ser tomadas. Os Estados Unidos não são membros do fórum, já que deixaram o órgão há dois anos.

Soleimani, líder da Força Quds da Guarda Revolucionária, foi uma figura central na orquestração da campanha do Irã para expulsar as forças americanas do Iraque e construiu a rede de exércitos substitutos do Irã em todo o Oriente Médio. Washington acusou Soleimani de ataques planejados por milícias alinhadas pelo Irã contra as forças americanas na região.

"O major-general Soleimani estava encarregado da estratégia e ações militares do Irã, na Síria e no Iraque. Mas, na ausência de uma ameaça iminente real à vida, o curso de ação adotado pelos EUA era ilegal", escreveu Callamard no relatório.

O ataque com drones de 3 de janeiro foi o primeiro incidente conhecido no qual uma nação invocou a autodefesa como justificativa para um ataque contra um ator estatal no território de um país terceiro, acrescentou Callamard.

O Irã retaliou com um ataque de foguete contra uma base aérea iraquiana, onde as forças dos EUA estavam estacionadas. Horas depois, forças iranianas em alerta máximo abateram por engano um avião de passageiros ucraniano decolando de Teerã.

O Irã emitiu um mandado de prisão para o presidente dos EUA, Donald Trump e outras 35 pessoas, pelo assassinato de Soleimani e pediu ajuda à Interpol, disse o promotor de Teerã Ali Alqasimehr em 29 de junho, segundo a agência de notícias semi-oficial Fars.

r7

Nenhum comentário: