terça-feira, 30 de junho de 2020

POEMA DEDICADO A MEU QUERIDO NORDESTE



Seu moço eu sou nordestino
Um país dentro do meu Brasil
Moro lá derna de menino
Foi lá que minha mãe me pariu
Terra de um povo divino
Sou filho do velho Justino
Que na velha Cosern eclodiu.


Nasci no Cariri Paraibano
O circo apresentava a vedete
Na cobertura não tinha pano
Na época uma sêca da peste
Já existia nos assolando
Eu pequeno só escutando
O lamento de pai com mãe Ivonete.


Nordeste castigado pela sêca
Onde a galinha no chão deixa o cisco
Da fogosa potranca Tiêta
Do mar onde se tira o marisco
Do vaqueiro que passa na grêta
Com sua amante chamada prêta
Se lava nas águas do São Francisco.


Obrigado meu pai celestial
Por esse presente valoroso
Agora com água somos o tal
Nesse rincão tão gostoso
Nosso Deus é fenomenal
Trata seus filhos por igual
Porque ele é maravilhoso!


João André - 29/06/2020

Nenhum comentário: