sexta-feira, 12 de junho de 2020

PARATLETAS: HISTÓRIA REAL NESSE DIA DOS NAMORADOS

Casal de paratletas comemora Dia dos Namorados e chegada do primeiro filho 

O ano era 2013, e o campeonato escolar nacional era pra ser mais uma competição entre tantas na vida de Júnior França, paratleta da Sadef – Sociedade Amigos do Deficiente Físico do RN. Mas longe de casa, em SP, ele conheceu Maria Clementino, também paratleta, de outra associação potiguar. E mais do que a prata no campeonato, Júnior trouxe na bagagem de volta a certeza de que tinha encontrado o grande amor de sua vida. “Lá mesmo começamos um 'namorico'. E quando voltamos pra Natal, pedi ela em namoro aos pais. Nossa história de amor já tem quase sete anos”, conta orgulhoso.

Júnior é cadeirante, por causa da artrogripose, uma malformação congênita que lhe tirou os movimentos dos membros inferiores. Maria teve a perna direita amputada em decorrência de uma catapora. Mas nem as dificuldades impostas pelas deficiências impediram os encontros do casal. Júnior conta que eles treinavam em locais diferentes, e que ao final do treino, percorria, na cadeira de rodas, pouco mais de 3km até o local de treino de Maria, para vê-la.

Depois, Maria passou a treinar na Sadef, o que facilitou os encontros, que aconteciam ao final dos treinos. “Nessa época, ela morava em São José de Mipibu, e o tempo que a gente tinha pra se ver era entre o fim do treino e o horário do ônibus dela. Às vezes meu treino terminava um pouco mais tarde e quando a gente se encontrava, só dava tempo de um beijinho, mas eu ia pra casa feliz”, relembra apaixonado.

Por causa da faculdade de Educação Física, Maria teve que se mudar pra Natal. Foi morar na casa da família de Junior, “oficializando” assim a união. No ano passado, veio a notícia: Maria estava grávida do primeiro filho do casal. “O planejamento foi de Deus. Foi uma mistura de felicidade com um pouquinho de incerteza. A gente estava prestes a viajar para o campeonato brasileiro de Halterofilismo”, conta Maria. 

No dia 3 de junho, Shamuel Levi chegou ao mundo, pesando 3,750kg e cheio de saúde. “Foi um parto diferente do que eu imaginava. Na maternidade, fiquei o tempo todo de máscaras, lavando as mãos, passando álcool em gel. Os mesmos cuidados eu via na equipe médica”, relata Maria. 

A família já está em casa, onde vai comemorar o primeiro Dia dos Namorados a três. “Estamos curtindo muito cada minuto com nosso bebê. Shamuel é tranquilo, mama bem e dorme”, diz a mamãe. Já o papai se preocupa com a missão de educar o filho: “Quero passar pra ele nossos valores, nossos princípios, transmitir pra ele o que eu tenho de bom e fazer dele um homem bom”.

Assecom Sadef

Nenhum comentário: