sábado, 25 de abril de 2020

RJ: PRÉDIOS DE MILÍCIA PODEM TER SIDO FINANCIADOS COM 'RACHADINHA'

Intercept: Flávio Bolsonaro teria financiado prédios de milícia

Flávio Bolsonaro
O senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) teria financiado e lucrado com a construção ilegal de prédios erguidos pelas milícias usando dinheiro público. A denúncia é do site The Intercept Brasil.

Segundo documentos do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) divulgados pelo site neste sábado (25/04), o investimento para as edificações levantadas por três construtoras teria vindo de “rachadinha”, supostamente coletada no antigo gabinete de Flávio Bolsonaro (foto em destaque) na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro.

O andamento das investigações que fecham o cerco contra o filho de Jair Bolsonaro (sem partido) é um dos motivos para que o presidente tenha pressionado o ex-ministro Sergio Moro pela troca do comando da Polícia Federal no Rio de Janeiro, que também investiga o caso, e em Brasília.

Ao deixar o Ministério da Justiça e da Segurança Pública nessa sexta-feira (24/04), Moro disse que o presidente queria “interferir politicamente” na Polícia Federal. E também que teria pedido para ter acesso a relatórios da corporação. O presidente negou a interferência, poucas horas depois. E disse que o ex-ministro “tem compromisso com o ego e não com o Brasil“.

“Presidente queria alguém para ligar, colher informações, colher relatórios de inteligência. Isso não é papel da Polícia Federal”, argumentou o ex-juiz, durante pronunciamento. “O grande problema não é tanto essa questão de quem colocar, mas por que colocar, e permitir que seja feita a interferência política no âmbito da Polícia Federal”, acrescentou, ao se referir à exoneração de Maurício Valeixo no comando da PF.

A apuração do suposto esquema envolvendo o senador preocupa a família Bolsonaro. Segundo a reportagem, os advogados do senador já pediram por nove vezes que o procedimento seja suspenso.

O inquérito do Ministério Público apura delitos como organização criminosa, lavagem de dinheiro e peculato (desvio de dinheiro público). Está sob sigilo.

Os investigadores cruzaram informações bancárias de 86 pessoas suspeitas de envolvimento no esquema ilegal, que serviu para irrigar o ramo imobiliário da milícia.

Os dados mostrariam que o hoje senador teria recebido o lucro do investimento dos prédios, por meio de repasses feitos pelo ex-capitão do Bope Adriano da Nóbrega – executado em fevereiro – e pelo ex-assessor Fabrício Queiroz.

Adriano da Nóbrega foi morto a tiros em fevereiro em um controverso cerco policial no interior da Bahia com indícios de queima de arquivo. Foragido da Justiça, o ex-capitão estava escondido no sítio de um vereador bolsonarista. Os diversos celulares do miliciano ainda aguardam por perícia.

Nas redes sociais e nas poucas entrevistas em que falou sobre o suposto esquema de rachadinha, Flávio Bolsonaro afirma ser vítima de perseguição da imprensa e critica o vazamento de informações do processo. O político também afirma não ter conhecimento sobre o fracionamento de salários de seus funcionários. Procurado pelo site, o senador não se manifestou.

Matrópoles

Nenhum comentário: