domingo, 10 de novembro de 2019

BOLÍVIA: EVO MORALES CONVOCA NOVAS ELEIÇÕES

Pressionado por protestos, Evo Morales decide convocar novas eleições na Bolívia

Evo Morales anuncia novas eleições na Bolívia — Foto: Reuters/Carlos Garcia RawlinsO presidente da Bolívia, Evo Morales, anunciou na manhã deste domingo (10) que decidiu renovar os membros do Tribunal Superior Eleitoral e convocar novas eleições.

"[Decidi] convocar novas eleições nacionais que mediante ao voto permitam ao povo boliviano eleger democraticamente suas novas autoridades, incorporando novos atores políticos", afirmou.

Ele disse também que vai "renovar a totalidade de membros do Tribunal Superior Eleitoral; nas próximas horas a Assembleia Legislativa Plurinacional, em concordância com todas as forças políticas estabelecerá os procedimentos para isso".

"Quero pedir para baixarmos toda a tensão. Todos temos a obrigação de pacificar a Bolívia".

O anúncio veio logo depois que a Organização dos Estados Americanos (OEA) afirmou que houve irregularidades na eleição presidencial do dia 20 de outubro, quando Evo foi reeleito em primeiro turno, e recomendou que uma nova votação seja feita.

Morales venceu as eleições realizadas em 20 de outubro –na contagem final, ele teve 47,07% dos votos, e Carlos Mesa, o segundo colocado, 36,51%. Como é uma diferença de mais de 10 pontos percentuais, o atual presidente foi reeleito em primeiro turno.

O resultado foi contestado pela oposição e, no dia 30 de outubro, a Bolívia e a OEA concordaram em realizar uma auditoria.

Em seu comunicado, a OEA diz: "A equipe de auditores não pôde validar o resultado da presente eleição, e recomenda um outro processo eleitoral. Qualquer futuro processo deverá contar com novas autoridades eleitorais para poder levar a cabo eleições confiáveis."

Neste domingo, Carlos Mesa disse que Evo não deveria ser candidato nas próximas eleições. ''Evo Morales não pode presidir o processo eleitoral, nem ser candidato", afirmou. O líder opositor pediu um acordo nacional, com a participação de políticos e cidadãos, e disse que no próximo processo eleitoral, se Evo "ainda tem um pingo de patriotismo, deve ficar de lado".

G1

Nenhum comentário: