domingo, 3 de novembro de 2019

A NATUREZA É FANTÁSTICA

A espetacular imagem da Via Láctea refletida em deserto de sal que ganhou homenagem da Nasa

A Nasa elegeu como "foto astronômica do dia", em 22 de outubro, esta imagem da Via Láctea capturada por Jheison Huerta no Salar de Uyuni, na Bolívia (Foto: JHEISON HUERTA via BBC)
VIA LÁCTEA NO SALAR DE UYUNI,
NA BOLÍVIA

A Nasa colocou essa questão em seu site quando selecionou a imagem acima como a "fotografia astronômica do dia", em 22 de outubro.

A imagem da Via Láctea foi registrada pelo fotógrafo peruano Jheison Huerta, na Bolívia, no salar de Uyuni, cuja extensão plana de 130 km pode se tornar um espelho gigantesco durante temporadas úmidas.

Jheison Huerta: "Com o tempo, aprendi a ser muito paciente e esperar a hora certa, esperar a luz ou a chuva se dissiparem e ver as estrelas". (Foto: DIVULGAÇÃO JHEISON HUERTA)
Jheison Huerta - Fotógrafo 
"Quando vi a foto, senti uma emoção muito grande", disse o fotógrafo. "A primeira coisa que veio à mente foi a conexão entre o homem e o universo. Somos todos filhos das estrelas."


Huerta deu uma entrevista à BBC News Mundo, o serviço em espanhol da BBC, e falou sobre sua foto, o boom da astrofotografia na América Latina e por que antes de capturar uma imagem "devemos pedir ajuda à natureza".

O salar de Uyuni fica a 3.600 metros acima do nível do mar e é um deserto de sal. Após a estação chuvosa, forma-se uma camada de água na qual é possível ver o reflexo não apenas das nuvens durante o dia, mas também das estrelas à noite.

As montanhas cobertas de neve de Huascarán e Huandoy, na Cordilheira Branca, no Peru (Foto: JHEISON HUERTA via BBC)
AS MONTANHAS COBERTAS DE NEVE
DE HUASCARÁN E HUANDOY,
NA CORDILHEIRA BRANCA, NO PERU
Na primeira tentativa de fazer a foto, fiquei muito frustrado, porque pensei que havia capturado uma super foto, mas quando cheguei em casa e analisei a foto, vi que meu equipamento não tinha a capacidade de obter uma imagem limpa e clara.

E aí decidiu voltar...

Voltei em 2017 já com equipamento melhor. Comprei outra câmera e outra lente com uma entrada de luz, um diafragma, muito mais aberto.

Mas (na segunda vez) já foi uma questão de azar, porque na semana em que viajei para a Bolívia o céu esteve sempre nublado.

E, teimoso, voltei em 2018 e tirei uma foto muito semelhante, mas me concentrei tanto na Via Láctea que, como personagem, fiquei fora de foco. Pense que estamos em um local com 30 cm de água salgada, muito frio. E você está no meio da noite, não vê absolutamente nada.

Tirei a foto selecionada pela Nasa agora, em abril, depois de buscá-la por muitos anos.

Com informações da Época Negócios

Nenhum comentário: