sexta-feira, 9 de agosto de 2019

RJ: EIKE BATISTA FOI TRAÍDO POR 'FANTASMAS'

Eike Batista assinou recibo de conta fantasma em raro vestígio deixado por organização criminosa, diz MPF

O empresário Eike Batista chega à sede da Polícia Federal no Rio de Janeiro nesta quinta-feira (8), após nova prisão — Foto: Ueslei Marcelino/ReutersO empresário Eike Batista, preso mais uma vez nesta quinta-feira (8), pode ter criado provas contra si mesmo que o levaram novamente à cadeia. Recibos de uma conta fantasma atribuída a ele foram assinados pelo próprio empresário, segundo o Ministério Público Federal (MPF).

A investigação aponta que Eike e o sócio Luiz Arthur Andrade Correia, o Zartha, diretor de investimentos da EBX, recebiam informações privilegiadas e investiam no mercado financeiro sem que seus nomes aparecessem.

O documento foi incluído no pedido de prisão e, segundo a denúncia, é uma "importante prova de corroboração sobre como Eike Batista tinha ciência, controlava e era o mandante das operações ilegais" das contas fantasmas.

"Trata-se de um dos raros episódios em que uma organização criminosa, por desconfiança interna entre seus membros, deixa recibo e vestígio material das operações ilegais realizadas", escrevem os procuradores.

Na mesma decisão que permitiu a prisão de Eike por cinco dias — renováveis por mais cinco —, o juiz Marcelo Bretas autorizou o bloqueio de R$ 1,6 bilhão em bens do empresário e de seus filhos.

Parte dos ganhos obtidos nos investimentos ilegais foram repassados ao então governador Sérgio Cabral (MDB). Ele recebeu US$ 16,5 milhões em propina à época — o equivalente a R$ 65 milhões na cotação atual.


Extrato de posição consolidada, assinado por Eike Batista, comprova que ele sabia de operações ilegais de contas-fantasma, segundo o Ministério Público Federal — Foto: ReproduçãoExtrato de posição consolidada, assinado por Eike Batista, comprova que ele sabia de operações ilegais de contas-fantasma, segundo o Ministério Público Federal — Foto: Reprodução
Extrato de posição consolidada, assinado por Eike Batista, comprova que ele sabia de operações ilegais de contas-fantasma, segundo o Ministério Público Federal — Foto: Reprodução
Recibo assinado

Eduardo Plass, sócio da TAI, se tornou delator na Lava Jato. Na versão dele, foi o próprio Plass quem pediu a Eike para assinar o recibo sobre a movimentação financeira de uma das contas fantasmas.

Priscila Moreira Iglesias, que trabalhava para Plass, também confirmou a versão em delação premiada.

"A depoente (Priscila) entregava uma folha impressa com a posição consolidada para Eduardo Plass, que, por vezes devolvia à depoente a folha assinada por Eike", diz a delação dela.

As operações das contas fantasmas, ainda conforme a denúncia, eram realizadas por Luiz Arthur Andrade Correia, o Zartha. Ele foi diretor-financeiro da holding EBX e era um dos funcionários mais próximos de Eike.

G1 - Rio

Nenhum comentário: