domingo, 10 de fevereiro de 2019

RN: FÁTIMA BEZERRA VENDEU UM PEIXE E ENTREGA OUTRO

Governo Fátima esconde falta de soluções dos problemas do RN com falsas acusações de superfaturamento e fraude

O governo Fátima Bezerra não começou bem o ano sem resolver os problemas, dos quais sempre dizia ter solução. E neste sábado protagonizou mais um episódio inexplicável escondendo o fato de não ter soluções para o problema dos salários dos servidores atrasados e ainda insinuando acusações práticas criminosas contra a gestão passada, sem apresentar provas, no perfil oficial do Governo do Estado no Instagram.

Através do Instagram, o Governo Fátima acusou a gestão passada e o próprio restaurante Camarões de superfaturamento e fraude no contrato de fornecimento de alimentos para o Gabinete Civil no valor global de R$ 150 mil. Esse assunto, amplamente discuto e esclarecido foi trazido de volta pela nova gestão de forma irresponsável. Ainda em 2017, quando o assunto surgiu, o restaurante explicou que o valor é o mesmo praticado para qualquer cliente, cobrado apenas quando o serviço é utilizado e que, em 13 meses de contrato, apenas R$ 18 mil foi faturado, mas hoje o Governo do Estado tratou o assunto como uma ação de “corte de gastos” e de “coibir superfaturamentos e fraudes”, insinuando que estivesse pago R$ 150 mil todos os meses.

O assunto causou indignação de muitos e a reação da ex-secretária-chefe do Gabinete Civil, Tatiana Mendes Cunha, que respondeu por meio das redes sociais. Tatiana afirmou que se as acusações tivessem fundamento, as provas deveriam ter sido encaminhadas para o Ministério Público, que, claramente, não foi feito. Ela também lembrou que esse discurso, retrovisor com acusações genéricas e superficiais adotado, pelo governo Fátima Bezerra tem sido recorrente. “Há duas semanas, o Controlador Geral sugeriu que o Governo liquidava despesas sem empenho. Não indica qual Secretaria, qual a despesa. Denuncia genérica, inconsequente e irresponsável”, disse.

Diante da repercussão negativa, o Governo apagou a postagem e, como se nada tivesse acontecido, publicou outra postagem afirmando que medidas estão sendo tomadas, mesmo sem informar quais medidas eram. Mesmo aparentando reconhecer o erro, o Governo não se retratou praticado e ainda persistiu com ele de forma genérica.

E, de fato, o Governo ainda não disse quando vai pagar os salários atrasados, não apresentou medidas sólidas para solução do problemas fiscal do Estado e não apresentou soluções para os problemas do Estado, que sempre disse ter.

Confira a nota de Tatiana Mendes Cunha na íntegra

(1) Vi a postagem feita no Instagram Oficial do Governo do Estado, neste sábado, de que estariam cortando gastos desnecessários e revisando contratos para coibir fraudes, superfaturamentos e irregularidades.

(2) Já não é a primeira vez que o Governo atual faz esse tipo de postagem, genérica e superficial, acusando o Governo anterior, do qual fiz parte como Secretária-chefe do Gabinete Civil, de supostas irregularidades.

(3) Há duas semanas, o Controlador Geral sugeriu que o Governo liquidava despesas sem empenho. Não indica qual Secretaria, qual a despesa. Denuncia genérica, inconsequente e irresponsável.

(4) Parece-me que esse tipo de postagem serve apenas para ter repercussão nas redes sociais. Não tem nenhum outro objetivo, senão acusar por acusar.

(4) Se as acusações tivessem fundamento, as provas seriam encaminhadas ao Ministério Público para apuração das supostas ilegalidades, fraudes ou superfaturamento.

(5) Com relação à forma que o atual Governo prefere adotar para receber o Presidente da República, Ministros, Governadores de outros Estados e autoridades, acho que é uma decisão que só cabe ao Gabinete Civil.

(6) O Governo que fiz parte procurou atender essas autoridades com o melhor que poderíamos oferecer, em contratos celebrados formalmente, após licitação, sem nenhum subterfúgio, gastando, de fato, um valor irrisório diante do total do contrato.

(7) Sempre tivemos a certeza que as relações institucionais eram importantes e por isso deveríamos ser bons anfitriões. Lógico, dentro de um valor que não ultrapassasse o preço de uma refeição razoável para esse tipo de refeição.

(8) Há quem diga que economizar nessas pequenas despesas tem um conteúdo pedagógico e satisfaz os servidores que estão com seus salários atrasados. Mas é apenas uma medida midiática.

(9) Nossa folha é de quase meio bilhão por mês. Ou se tomam medidas efetivas para resolver o problema ou se administram os débitos. Desviar o foco com ataques infundados não vai funcionar como mágica.

BG

Nenhum comentário: