sexta-feira, 7 de dezembro de 2018

ONYX SOBRE CAIXA 2: "JÁ ME RESOLVI COM DEUS"

'Já me resolvi com Deus', diz Onyx sobre investigação por suposto caixa 2

Macaque in the treesO futuro ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni (DEM-RS), afirmou nesta sexta-feira (7) que não teme as investigações no Supremo Tribunal Federal (STF) por suposto caixa dois. Onyx se disse tranquilo. "Já me resolvi com Deus, o que é importante para mim. Agora, com a investigação autônoma, que não é nem inquérito, vou poder esclarecer definitivamente. Nunca tive envolvido com corrupção. A gente não pode ser hipócrita de querer misturar financiamento e o não registro de um recebimento de um amigo, que esse erro eu cometi", afirmou.

O futuro ministro apoiou a afirmação do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), que disse que usará sua 'caneta Bic' e demiti-lo caso as denúncias sejam robustas. "Gosto tanto da caneta Bic dele [Bolsonaro] que subscrevo a declaração", disse após evento com empresários do grupo Lide, em um hotel de luxo em São Paulo.

Onyx também foi questionado sobre o relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), que indicou movimentação financeira atípica de um ex-assessor do deputado estadual Flávio Bolsonaro (PSL). Neste momento, o futuro ministro mostrou extrema irritação. "Setores estão tentando há um ano destruir a reputação do sr. Jair Messias Bolsonaro. Alguém tem dúvida do trabalho que foi feito, lembra lá da funcionária que tava de férias?", respondeu Lorenzoni.

"Mas é uma pergunta sobre o relatório do Coaf", interrompeu um jornalista.

"Vamos lá, peraí. Vamos enfrentar essa questão. O presidente Bolsonaro é uma pessoa que tem o compromisso claro com a verdade. Então fiquem tranquilos, que seguramente isso vai ser sempre enfrentado com a verdade", disse, prosseguindo: "Neste governo, é trigo. Não dá para querer achar que esse governo é igual o governo do PT. Não é, nunca vai ser, e os homens e mulheres que estão aqui são do bem"

Um repórter perguntou o que essa declaração teria a ver com o relatório do Coaf.

"Tem a ver o seguinte: eu estou respondendo ao sr. O presidente é um homem que não teme a verdade, assim como eu não temo a verdade. E nós vamos trabalhar com a verdade. Até que a verdade se esclareça, nós vamos ver. Agora, não é só uma notificação, a pergunta é: onde é que estava o Coaf no mensalão? Onde estava o Coaf no petrolão?"

O repórter questionou: "A pergunta é qual é a origem do dinheiro."

"Amigo, eu sou um investigador? Não. Como é que eu vou... Qual é o dinheiro que foi para sua conta? Quanto recebeu neste mês? Quanto o sr. recebeu este mês?", perguntou Onyx ao repórter, que respondeu: "Eu? Isso não tem a menor relevância."

"E não tem a menor relevância a sua pergunta", finalizou Lorenzoni, abandonando a entrevista coletiva.

Durante o evento com empresários, o futuro ministro havia se queixado da imprensa. "Lamentavelmente, existem algumas áreas da imprensa brasileira que abriram francamente um terceiro turno. É importante fazer um grande pacto pelo Brasil. Nós não recebemos um cheque em branco. Sabemos que temos oposição, que temos que respeitar. Sabemos que temos tido todo o respeito com a imprensa brasileira. Mas é importante, do ponto de vista do futuro do país, que possamos construir propostas."

Jornal do Brasil

Nenhum comentário: