sábado, 8 de dezembro de 2018

CONSELHOS PARA REDUZIR SUAS DÍVIDAS E SAIR DA INADIPLÊNCIA

7 conselhos para reduzir as dívidas e não ficar mais inadimplente

1 - Organize suas prioridades

Você quer mudar de casa, trocar de carro, fazer uma viagem, comprar roupa, comer fora todo fim de semana? 

É possível realizar vários objetivos, mas é preciso estabelecer prioridades e prazos. Gastar mais do que ganha é o caminho certo para se endividar... Se o orçamento não está organizado, tudo isso pode se tornar uma bola de neve.

Antes de começar a gastar, coloque no papel (ou em uma planilha, ou em um aplicativo do celular).

Estabeleça suas prioridades e prazos. Em vez de fazer dívidas para realizar o objetivo, poupe para conseguir comprar sem pagar juros. "Com uma meta clara fica mais fácil entender o que é preciso para chegar lá", diz.

2 - Adapte seus gastos ao que ganha e não o contrário

Um dos maiores problemas das pessoas endividadas é não saber apertar o cinto. Avalie os gastos e veja onde é possível fazer cortes e reduções.

Por exemplo: como a alimentação tem um alto custo, talvez seja a hora de reduzir a frequência dos pedidos de comida e das idas a restaurantes e lanchonetes e experimentar cozinhar mais. Ao invés de ir ao bar todo final de semana, reúna os amigos em casa no esquema “cada um leva uma coisa”. O custo é consideravelmente menor e a diversão em turma é a mesma. 

Se você paga a academia e não vai fazer exercícios, corte o pacote. Ou se você paga e vai, verifique com a academia se há algum programa de descontos ou reduções no valor da mensalidade.

3 - Crédito não faz parte da sua renda

A sua renda é o que recebe no fim do mês já tirando todos os descontos, e é isso que deve aprender a usar, sem cair na tentação de somar ao limite do cheque especial ou do cartão de crédito. Se você trabalha para pagar o rotativo do cartão e não consegue cobrir o cheque especial, está errado.

A dica do executivo pra arrumar as contas é cancelar o cheque especial. 

"A princípio vai ser doloroso, mas muito melhor a longo prazo. Outra sugestão é fazer um acordo com a operadora de cartão de crédito e quitar sua dívida. Aprenda a manter um cartão de crédito para uso emergencial e esporádico e a manter o valor da fatura sempre dentro do seu orçamento."

4 - Tenha um organizador financeiro

Anotar os gastos e ganhos e visualizar para onde seu dinheiro está indo faz com que você pense duas vezes antes de gastar seu dinheiro em compras por impulso. 

Essa anotação pode ser feita em uma agenda, uma planilha ou um aplicativo de celular. Escolha o melhor método para você. 

Lembre-se que, qualquer que seja o meio escolhido, é necessário que você faça um balanço semanal de seus gastos e inclua-os em seu organizador financeiro. O ideal é a inclusão diária, mas isso vai da sua disciplina.

5 - Aprenda a poupar

Não deixe para poupar apenas o que sobra no final do mês, porque quando estamos descontrolados financeiramente não sobra nada.

O ideal é poupar pelo menos 10% de seu salário assim que ele cai na sua conta. Mesmo que inicialmente não dê para poupar esse porcentual, comece com qualquer valor, para cultivar o hábito. 

6 - Substitua os gastos

Fazendo o orçamento e estudando para onde vai o dinheiro, é possível identificar maneiras de economizar. 

Exemplos:
Se você mora muito longe de onde trabalha, pense em vender o carro e se mudar para uma região mais próxima do escritório.

Se você tem uma dívida alta de cartão de crédito e a negociação com a sua operadora de crédito não é possível, verifique a possibilidade de substituir essa dívida por outra mais barata. Estude fazer um empréstimo pessoal, cujos juros são mais baixos, e quite a dívida de cartão.

7 - Tenha disciplina

Manter sua saúde financeira exige tanta disciplina quanto seguir uma dieta. 

Organização financeira exige que você continue praticando o planejamento e a previdência. Se assim que você se vê com as contas no azul você voltar a utilizar seu dinheiro sem freios é muito provável que você volte a se endividar. 

A mesma coisa com a dieta. Se você atinge o seu peso ideal e, depois disso, perde suas regras de alimentação e exercícios, é muito provável que você volte a engordar. Seja disciplinado com suas escolhas.

Conta pra gente

Você vai terminar 2018 endividado?

- Sim, com dívidas

- Não, tenho dinheiro investido

- No zero a zero

Tem alguma dúvida sobre economia, dinheiro, direitos e tudo mais que mexe com o seu bolso? Envie suas perguntas para “O que é que eu faço, Sophia?” pelo e-mail sophiacamargo@r7.com

r7

Nenhum comentário: