quinta-feira, 25 de outubro de 2018

TEMER COM MEDO DA CADEIA

Hipótese de prisão após mandato inquieta Temer

Resultado de imagem para temerFaltam dois meses e alguns dias para Michel Temer deixar o Palácio do Planalto. Em condições normais, Temer estaria agora sonhando em obter um lugar confortável na história ou articulando os seus próximos movimentos políticos. Mas a posteridade não é um lugar seguro para Temer. E as preocupações do presidente e dos seus principais auxiliares não estão voltadas para a política, mas para a polícia.

Temer está prestes a entrar para um clube que já tem como membros Dilma Rousseff e Lula. Vai virar sócio-atleta da Lava Jato. A operação já engoliu a Presidência de Dilma e encarcerou Lula. Temer está cercado por duas denúncias e um par de inquéritos —um sobre portos, nascido da delação da JBS, e outro sobre verbas negociadas na sobremesa de um jantar no Jaburu, delatado pela Odebrecht.

Nos subterrâneos, auxiliares de Temer discutem a sério o risco de o atual presidente ser preso depois que perder as imunidades do cargo, a partir de janeiro. A julgar pela movimentação do Ministério Público, o receio é justificável. Submetido à primeira instância, Temer pode ser alvo de medidas cautelares. A esse ponto chegamos: Temer gerencia a transição de governo e, simultaneamente, inquieta-se com a perspectiva de receber a visita dos rapazes da Polícia Federal.

JOSIAS DE SOUZA

Nenhum comentário: