segunda-feira, 9 de abril de 2018

RN: PROFESSORES DECIDEM MANTER GREVE

Professores municipais rejeitam proposta e decidem continuar em greve
 
Os professores da rede municipal de Natal decidiram na manhã desta segunda-feira, 9, dar continuidade à greve da categoria. Em assembleia organizada pelo Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Rio Grande do Norte (Sinte), os docentes rejeitaram a nova proposta de reajuste do piso salarial da Secretaria de Educação de Natal (SME), de aumento a partir de junho, e deliberaram seguir de braços cruzados.
A paralisação dos servidores da educação municipal foi iniciada em 21 de março. Segundo informações do Sinte, mais de 90% das escolas e dos centros de educação infantil (CMEI) estão sem aulas hoje. Já o último levantamento feito pela secretaria de educação de Natal, feito na última sexta-feira, 7, aponta que 67% dos professores estão em greve.
Com isso, de ainda de acordo com os da pasta, 109 unidades de ensino enfrentam problemas atualmente, o que representa 82% da rede. Apenas 27 unidades de ensino estão funcionando normalmente.
Segundo a Coordenadora do Sinte, Fátima Cardoso, o Município descumpre com a Lei Complementar 6.245/2013. A legislação determina que, a partir de janeiro de cada ano, os professores municipais sejam beneficiados com o reajuste do Piso Nacional, que é definido Ministério da Educação. Este ano, o valor ficou em 6.81%. No entanto, o Município ainda não incluiu o porcentual nos salários dos docentes.
“A lei municipal não é cumprida. É um direito nosso”, revela Fátima Cardoso. A assembleia geral dos professores municipais aconteceu na manhã deste segunda-feira, 9, no clube da Associação dos Subtenentes e Sargentos do Exército (Assen), localizado no bairro do Tirol, zona Leste de Natal
A Prefeitura de Natal propôs aos professores a aplicação do reajuste em junho. No entanto, o aumento não inclui os valores retroativos dos meses de janeiro até maio.
Os professores municipais marcaram para o próximo dia 17 uma nova assembleia geral da categoria.



Agora RN

Nenhum comentário: