quarta-feira, 28 de junho de 2017

PILANTRA X SONSO: BATE BOCA ENTRE RENAN E GARIBALDI

Renan e Garibaldi Filho discutem no plenário

Senador Renan Calheiros Foto: Antonio Cruz / Agência BrasilO líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL), afirmou nesta 3ª feira (27.jun.2017) que pode alterar os nomes do PMDB na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Casa para a votação da reforma trabalhista. O político pediu o adiamento da votação da matéria para a construção de 1 texto alternativo.
Em embate no plenário com o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), Renan pediu que não fosse realizada na 4ª feira (28.jun) a votação da proposta. “Se o jogo for esse, eu vou admitir alterar a composição da Comissão de Constituição e Justiça do Senado Federal”, afirmou.
Jucá disse que há 1 acordo entre governo e oposição para votar o texto. O Planalto também quer apreciar nesta 4ª o regime de urgência da matéria. Isso permitiria que o projeto entrasse na pauta do plenário na próxima semana.
“Eu não fiz acordo com ninguém para revogar direito de trabalhador”, respondeu Renan.
Renan Calheiros tem feito críticas à reforma trabalhista e ao governo de seu correligionário Michel Temer. Caso altere a composição da CCJ, a tendência é que coloque outros senadores críticos à proposta. Atualmente, o único peemedebista titular da comissão que se coloca publicamente contra a reforma é Eduardo Braga (AM). 

ATRITO COM GARIBALDI ALVES
O também peemedebista Garibaldi Alves (RN) não gostou da possibilidade ventilada. Disse que Renan Calheiros havia se comprometido a acatar a decisão da bancada do partido, de apoiar a reforma. “Eu acho que vossa excelência está desrespeitando os compromissos para com nossa bancada”, disse Garibaldi. Fez outra crítica ao correligionário: “Liderança se conquista, liderança não se impõe e não ameaça”.
Renan insinuou que o descontentamento de Garibaldi poderia estar relacionado à prisão de seu primo, o ex-ministro do Turismo Henrique Eduardo Alves. “Eu compreendo a provação do senador Garibaldi”, disse Renan. “Nós estamos, infelizmente, injusta ou justamente, com a prisão do ex-Presidente da outra Casa do Congresso Nacional, sob a acusação de integrar uma quadrilha”.

Um comentário:

Anônimo disse...

Garibaldi perdeu a oportunidade de ficar calado. Outro corrupto.