domingo, 21 de maio de 2017

RN: JUSTIÇA DETERMINA PAGAMENTO DOS MILITARES

TJRN determina que Estado pague militares até o último dia de cada mês

O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte (TJRN) determinou que o Estado realize o pagamento de todos os subtenentes e sargentos da Polícia Militar e Bombeiros Militares do RN até o último dia de cada mês. De acordo com a decisão, os valores devem ser corrigidos monetariamente, caso o pagamento se efetive além desse prazo.
A decisão foi por unanimidade de votos do pleno do TJRN. A determinação parte do julgamento do mandado de segurança com liminar que teve a relatoria do desembargador Amílcar Maia, de autoria Associação dos Subtenentes e Sargentos Policiais Militares e Bombeiros Militares do RN (ASSPMBM/RN), que representou os servidores judicialmente.
A decisão da Corte excluiu do seu alcance os servidores policiais militares inativos ou da reserva remunerada, assim como os beneficiários de pensão previdenciária porque não constava o presidente do IPERN como réu da ação, na condição de autoridade coatora.
No mandado de segurança, a ASSPMBM/RN afirmou que é fato público e notório o contínuo atraso nos pagamentos dos vencimentos dos servidores públicos estaduais ativos, inativos e pensionistas, por parte do governo do Estado.
Defendeu a entidade que o Estado do RN vem descumprindo reiteradamente, mês a mês, as diretrizes da Constituição Estadual que assegura aos servidores o pagamento dos seus vencimentos até o último dia de cada mês, corrigindo-se monetariamente os seus valores, no caso do pagamento se dar além desse prazo.

Um comentário:

Anônimo disse...

Olha este governo não gosta de cumprir a lei nem as decisões da justiça, prejudicando desta forma todos servidores da segurança, quase 3 anos de administração ainda não fez um calendário de pagamento para o servidor e nem vai fazer eu acho, tem o mesmo alegado queda de receitas todo mês e que ainda não consegui prova isto para a justiça do RN, facilitando as decisões da justiça dando procedência as partes interessadas nos seus peitos perante a justiça, julgando procedente nos processos ora impretados . Valeu kakakakakakakakak.